24.5 C
Brasília
segunda-feira, maio 16, 2022

ANUNCIE

- Publicidade -

FCO Empresarial induz retomada econômica

Até julho deste ano, R$ 141,7 milhões foram contratados em Brasília-DF e Ride, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento (FCO), com 358 contratações pelo programa empresarial. Deste valor 93% foram destinados ao setor de Comércio e Serviços, 5% para a Indústria e 2% para o turismo. Por meio da linha de financiamento do FCO Empresarial, espera-se gerar e manter mais de 5.420 empregos diretos e 9.285 empregos indiretos no DF.

Os dados levantados são referentes ao último balanço do FCO na região, disponibilizados pela Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

Muitos setores estão retomando as suas atividades, entre elas o setor de comércio e serviços, um dos segmentos mais impactados desde o início da pandemia. Nesse sentido, o FCO tem sido um grande aliado para a retomada econômica da regional.

Os principais tomadores do FCO Empresarial em Brasília são empreendimentos de micro, pequeno e pequeno-médio porte, somando R$ 386,4 milhões em financiamentos. Empresas de grande a médio porte chegam a um valor de R$ 105, 8 milhões para o mesmo período.

O segmento de Comércio e Serviços foi o que mais contratou: R$ 141,7 milhões, sendo cerca de R$ 94 milhões foram em financiamentos para negócios de micro a pequeno-médio porte.

Para o empresário Alcides Bolgue, sócio proprietário do Laboratório Clínico Mulier, o financiamento do FCO permitiu a melhoria da estrutura da clínica e a expansão do negócio, além de permitir o aumento das contratações de pessoal. Hoje o empreendimento emprega 50 profissionais.

“O financiamento do FCO nos possibilitou a compra de equipamentos para exames de teste da Covid-19 e de biologia molecular. Contratarmos o FCO foi fundamental para deixarmos de terceirizar os testes de PCR e processá-los em nossa sede. Para isso, já aumentamos a nossa equipe de profissionais”, ressaltou Bolgue.

Para o setor da Indústria, o FCO contratou R$ 8,6 milhões na região, sendo o segundo segmento com o maior número de financiamentos. Mais de 94% foram destinados para apoiar empresas de pequeno porte.

A indústria Victtorem, especializada na produção de embalagens de papel para produtos alimentícios, conseguiu o financiamento este ano, com o objetivo de aumentar a sua produção e expandir o serviço da fábrica. Por meio do FCO, a empresa comprou maquinário para fabricação de embalagens de papel que atenderá ao segmento de delivery, área que cresce devido ao aumento de pedidos durante a pandemia.

Segundo o administrador da empresa, Bruno Vitorino, se não fosse o financiamento do FCO, seria impossível a fábrica adquirir o novo bem com recursos próprios. “Para uma empresa de pequeno porte, adquirir uma máquina dessas, com recursos próprios, é impossível. O FCO é de grande importância para a região, devido às facilidades e vantagens do empréstimo, como juros baixos e longo prazo para pagamento”, enfatizou.

O FCO é administrado pela Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e Banco do Brasil (BB) que, além de um dos gestores do Fundo, é responsável pela operacionalização das contratações e pelo repasse dos recursos aos demais agentes operadores.

relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique conectado

667FãsCurtir
756SeguidoresSeguir
353SeguidoresSeguir
- Publicidade -
- Publicidade -spot_img

Últimos artigo