25.5 C
Brasília
segunda-feira, junho 24, 2024

ANUNCIE

Meu querido diário

Ray Cunha

A tarde morre, suave como a noite. Acabei de ouvir Trini Lopez, Amira Willighagen e Angelina Jordan; Mozart também. A tarde morre boa para um bate-papo, mas não há ninguém com quem conversar. Meus amigos estão longe. Depois que me declarei conservador, houve até quem me demitisse por e-mail. Às vezes, visito Jorge Bessa, escritor, acupunturista, espião em Moscou e chefe da contraespionagem brasileira durante a Guerra Fria. Preciso devolver-lhe o Imperador Amarelo.

Comecei a ler, novamente, a série Millennium. Os três primeiros volumes – Os homens que não amavam as mulheresA menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar – são de Stieg Larsson e os três últimos – A garota na teia de aranhaO homem que buscava sua sombra e A garota marcada para morrer –, de David Lagercrantz, também sueco. Já venderam mais de 150 milhões de exemplares.

Considero o trabalho de Larsson o protótipo do romance hodierno. Larsson entregou os originais dos três primeiros volumes, de mais de 500 páginas cada um, ao editor, logo depois da virada do século, e morreu a seguir, bastante jovem ainda. O sucesso foi imediato. Aí, convidaram Lagercrantz, conhecido na Suécia, a escrever mais alguns volumes com as personagens criadas por Larsson. Lagercrantz topou e no terceiro volume deu por encerrada a série.

Comprei, hoje, Catástrofe – 1914: A Europa vai à Guerra, de Max Hastings. Creio que irá me esclarecer mais sobre o nascedouro do comunismo, pois a dinastia Romanov começou a cair no início da Primeira Guerra Mundial. Meu romance O CLUBE DOS ONIPOTENTES se debruça um pouco sobre esse episódio. Estou lendo amplamente, também, sobre a história do Brasil, já que trabalho, atualmente, em um romance que tem como pano de fundo a construção da personalidade do nosso país.

Enquanto isso, aguardo a fotografia que o pintor Olivar Cunha me enviará. Ele está pintando uma cafuza ruiva, de olhos verdes e lábios grandes e vermelhos, tomando tacacá, e me enviará a foto para a capa do meu romance JAMBU.

Minha rotina tem sido levantar-me às 3 horas (disse isso para uma paciente minha e ela me olhou como se estivesse diante do sujeito mais louco que já vira). Preparo um blend de arábica e tapioquinha; depois de tomar café, escrevo até às 8 horas. Então vou caminhar no Parque da Cidade, dou uma parada no shopping Venâncio para ir ao banheiro e outra parada no sebo do Ed, que tem sempre novidade. Dei para o Ed o encalhe do meu livro TRÓPICO ÚMIDO – TRÊS CONTOS AMAZÔNICOS, e ele vem vendendo maravilhosamente.

À tarde, leio, durmo e rezo. À noite, leio. Às vezes, vejo um filme na Netflix. Ou vou ao cinema. Ontem, fui ver Predestinado, sobre Zé Arigó, que foi um médium extraordinário. Fui com minha gata e milha filha. Comemos pipoca e bebemos CocaCola. É raro eu tomar CocaCola, mas, às vezes, tomo.

Outro dia encontrei um amigo, jornalista, na sala de espera de uma clínica. Conversamos sobre a pandemia e as mudanças no jornalismo. Lembro-me que até os anos 1990, os jornais tinham a paginação, um departamento com dezenas de paginadores, indispensáveis para o jornal seguir para a impressora. Da noite para o dia essa etapa desapareceu, com a informática. Os paginadores tiveram que fazer alguma outra coisa para sobreviver.

A partir das redes sociais, o jornalismo também desapareceu. Todos, agora, somos jornalistas, no sentido de transmitirmos informações em tempo real. O leitor tem apenas, como sempre, de ter senso crítico. E é esse tipo de jornalismo que arrasou com as quadrilhas dos políticos bandidos, cada vez mais acuados.

Isso me fez lembrar, lá atrás, uma colega lamentando que o Supremo Tribunal Federal (STF) houvesse cassado o diploma de jornalista. Eu procurei fazê-la ver que, em qualquer profissão, o diploma é tão-somente um credenciamento. Não quer dizer que a pessoa seja, de fato, um profissional preparado. Vejam o caso da âncora da CNN brasileira, que afirmou, no ar, que na Bandeira Brasileira está escrito “independência ou morte” e que o Chile fica na Europa. Se não foi exatamente isso, foi uma barbaridade ainda pior. Porém não é nada perante o Jornal Nacional. Este, dá engulho.

Assim, a internet promoveu a maior revolução moderna. A próximo grande revolução não será política nem tecnológica, mas espiritual. Os ETs já estão entre nós. Aliás, sempre estiveram. Ou melhor, somos todos nós.

relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique conectado

667FãsCurtir
756SeguidoresSeguir
338SeguidoresSeguir
- Publicidade -spot_img

Últimos artigos