21.5 C
Brasília
sábado, abril 20, 2024

ANUNCIE

Lava Jato enfrenta dificuldades, avisa Aras

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que a Operação Lava Jato tem passado por algumas dificuldades, especialmente com a Vaza Jato – vazamento de supostas mensagens de integrantes da operação. “Nós temos uma compreensão do grande valor que têm os colegas da Lava Jato, a importância do resultado da operação, mas nós entendemos que pequenos desvios, pequenos excessos, podem ser e devem ser corrigidos e haverão de ser corrigidos conosco à frente da Procuradoria Geral da República”, diz.

Augusto Aras fez a declaração em entrevista ao jornalista Fernando Rodrigues, no Poder em Foco, que foi ao ar nesse domingo (27), no SBT, logo após o programa Silvio Santos. Ele ressaltou porém que, no seu entendimento, a Vaza Jato não derruba as condenações já efetuadas. “Não tem um condão de invalidar a verdade dos fatos já apurados e por isso não teria a força para desconstituir os julgados até aqui proferidos”. 

Augusto Aras negou ter convidado o coordenador da Lava Jato, Deltan Dallangnol, para chefiar uma força-tarefa de combate ao narcotráfico. “90% do que dizem que eu disse não corresponde à verdade”, mas, avaliou que Dallangnol tem experiência e competência e que “se eventualmente responder a um inquérito, ser punido, ou não, não quer dizer que não possa continuar contribuindo no combate à macrocriminalidade”. 

O procurador-geral da República também falou do julgamento no Supremo Tribunal Federal sobre a prisão após condenação em segunda instância. Defendeu que a norma atual seja mantida. Porém, mesmo se for revista, condenados de alta periculosidade, que cometeram crimes hediondos, devem continuar presos. A respeito dos presos da Lava Jato afirmou: “os crimes financeiros, lavagem de dinheiro, os crimes contra ordem econômica são os mais graves do ponto de vista coletivo (…) são aqueles que lesam a educação, a saúde, lesam coletivamente o país, a nação, o povo brasileiro”.

Na entrevista, Aras abordou vários outros temas. Disse que solicitou ao STF informações sobre o inquérito das Fake News e que, sem a participação do Ministério Público, “estaremos com um grande problema constitucional”. Também aproveitou para anunciar que vai disponibilizar mais um assessor para o gabinete de cada subprocurador. A medida é para agilizar a análise de processos e não vai gerar custos adicionais, porque os servidores serão apenas remanejados.

relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique conectado

667FãsCurtir
756SeguidoresSeguir
338SeguidoresSeguir
- Publicidade -spot_img

Últimos artigos